Não ficamos assustados com algoritmos: na verdade adoramos!

Picture of Carolina Fernandes
Carolina Fernandes

SHARE THIS

Para profissionais de marketing digital, o tema dos algoritmos e da evolução da inteligência artificial pode ser um pouco controverso e difícil de entender. 

De facto, os algoritmos estão em todo o lado e estão a alterar a forma como trabalhamos. As áreas de redes sociais, publicidade online e análise de dados estão a ser muito impactadas.

Por isso, é essencial para as pessoas que trabalham no digital estarem informadas, pois a maior parte das plataformas utilizadas funciona já nesse regime ou vai funcionar num futuro próximo. 

O que são e como funcionam os algoritmos?

A Google define um algoritmo como “a sequence of computational steps that transform the input into the output”, ou seja, uma sequência de etapas que transforma um conjunto de entradas, neste caso, dados, num resultado específico. 

Os algoritmos analisam mais dados e fazem mais ligações do que alguma vez um ser humano conseguiria fazer manualmente. Por isso, conseguem com mais eficácia direcionar e prever os interesses do consumidor.

Por exemplo, um algoritmo pode obter dados do comportamento de milhões de interações de email para definir a hora ideal de um envio onde possa existir maior probabilidade de abrir e clicar. Um algoritmo também pode escolher qual o local e hora mais indicados para mostrar o anúncio a um utilizador para garantir um melhor resultado.

Há uma maneira de nunca mais se esquecer da forma como funciona um algoritmo: metaforicamente podemos compará-lo a uma receita onde com os ingredientes certos, o resultado é um belo prato.

Mas porque é que isto é tão essencial?

Atualmente qualquer ação que façamos no digital é passível de ser identificada e classificada pelos algoritmos. Por esse motivo, eles estão constantemente a evoluir e a melhorar as suas capacidades, detetando comportamentos e preferências.

Sendo assim, tudo o que fizermos a nível de marketing digital, vai estar conectado com o que os algoritmos sabem e o sucesso das campanhas depende disso, mas também da forma como os marketeers lidam com o assunto.

O que é mais desafiante com o algoritmo?

O conceito é muito abrangente e genérico, mas ainda é mais do que isso. Em cada plataforma o algoritmo trabalha de maneira diferente. Claro que há muitos pontos em comum, mas convém perceber em detalhe os pormenores de cada ferramenta que utilizamos para nos adaptarmos a isso.

Assim, é importante perceber que o papel do marketeer muda um pouco com este novo mundo, mas será ainda melhor! Os algoritmos ajudam-nos a tomar decisões melhores e mais rápidas e ainda a concentrar mais a nossa energia criativa em coisas que agregam mais valor.

O que muda?

As indicações que são dadas no início das campanhas às plataformas e durante o processo são fundamentais para orientar o algoritmo e depois deixá-lo trabalhar para atingir os resultados que se pretendem.

Nesta nova realidade, mais do que operacionalizar, vamos analisar. Mais do que analisar métricas, vamos analisar comportamentos. Será essencial fazer as perguntas certas e perceber as jornadas dos utilizadores e clientes, tendo espaço para um foco ainda maior nos objetivos do negócio.

É importante também referir que os algoritmos têm em conta a atribuição, isto é, qual a importância dos diferentes touchpoints de contacto que o utilizador tem para o resultado final.

Isto é extremamente difícil de saber de forma manual. Pelo que dessa forma podemos estar a tirar conclusões erradas nas análises, nomeadamente de campanhas que pensávamos não funcionarem bem. 

Sendo assim, com a ajuda da inteligência artificial e dos algoritmos, vamos ter maior sucesso nas campanhas digitais, pois eles ajudam-nos a atingir resultados mais eficazes.

Ou seja…

Os algoritmos vieram para ficar e temos de nos adaptar. Eles vão ficar cada vez mais refinados e nós vamos ter cada vez mais informação para análise, fazer mais perguntas, tirar conclusões e tomar decisões. Essa parte é chave para a evolução do negócio e dificilmente vai ser substituível.